segunda-feira, 20 de agosto de 2007


Brasileiros contam a verdade do exílio

Tema: Exilados Políticos – TNP Produções
Coletiva: 14-08-2007
Por: Eduardo V. Chaves


Dar vozes aos excluídos. Isto é o que propõe o grupo de jornalistas da Universidade Municipal de São Caetano Sul - IMES, com seu trabalho de conclusão de curso.
Os formandos pretendem através da metodologia da história oral, resgatar fragmentos narrativos de brasileiros que sofreram o exílio durante a ditadura militar. Para compor este cenário foi necessária uma abordagem criativa sobre o assunto, trazendo à tona a história “não oficial” e sim, a oportunidade de conhecermos um lado contrário do vivido pelos artistas Chico Buarque, Caetano Veloso, Giberto Gil dentre outros.
Os personagens são pessoas simples que se tornaram notáveis admiradores da liberdade por sentirem na própria pele um regime prisioneiro e cerceador da década de 60. Histórias como da socióloga Ana Corbiser, que permaneceu 6 anos em Cuba e 4 anos no Brasil sob identidade falsa, tendo que abandonar os dois filhos, um de 4 anos e outro de 7 anos de idade. Assim como Samuel Iavelberg que quando saiu do Brasil era estudante colegial e se tornou correspondente internacional da agencia francesa Gamma. O vídeo não aborda se os entrevistados estavam certos ou errados. Todo o material obtido são dos arquivos públicos e dos próprios depoentes, a história oficial será defendida com documentos oficiais.
O documentário de cerca de 30 minutos ainda não tem nome definido, porém os formandos mostraram na última terça feira 14 de agosto que estão preocupados com uma questão maior: a contextualização histórica. Esta foi à abordagem dada durante a coletiva de imprensa no IMES. “O historiador é personagem importante para o nosso trabalho e por isso foi difícil escolher dentre tantos, pois este deve conhecer muito bem o AI-5, a anistia, a promulgação da anistia, enfim, deve criar a cama por onde a narrativa dos personagens irá se deleitar” afirma o estudante Robson Conceição.
O estudo aprofundado sobre o tema já garante ao trabalho o voto de confiança necessário para se esperar um ótimo resultado.

Um comentário:

Prof. Arquimedes disse...

Bom texto, mas reveja pontuação do segundo parágrafo.