terça-feira, 25 de setembro de 2007

Sobre os olhos da fé


Por: Eduardo Chaves


Um grupo de oito alunos do ultimo ano do curso de jornalismo da Universidade Municipal de São Caetano do Sul – IMES resolveram abrir uma ferida e falar sobre um assunto que é pouco discutido: religião.

A fé ainda hoje é algo que não se explica, existem estudos que apontam que tudo não passa de crenças e ilusões que a nossa mente cria. Sendo assim doenças psicosomáticas, ou seja, aquelas que surgem pelo próprio homem, podem vir a serem curadas e então a magia da crença funcionou mais uma vez.

No entanto, o trabalho de conclusão de curso dos jovens jornalistas não atua pelo campo da discussão sobre a verdade ou a mentira da cura.

O trabalho pretende discutir a questão da clausura dentro de seis religiões atuantes no Brasil: o Catolicismo, o Anglicanismo, Hinduísmo, Budismo, Ortodoxismo e o Candomblé. Para tanto, o veículo escolhido para condução deste trabalho será o rádio. O documentário intitulado “Do outro lado do muro – A clausura nas religiões” tem cerca de trinta minutos e será divido em cinco partes: “O que é”, “Vocação”, “Rotina”, “Alegrias e desafios”, “Saúde” e “Balança”.

A discussão ganha vida através das vozes de inúmeros personagens que compõem a trama, depoimentos foram colhidos de pessoas que vivenciaram a clausura e hoje contam ter sido beneficiadas com a escolha. No entanto, os alunos também abordam o outro lado da história, as pessoas que se arrependeram do exílio e perceberam que perderam anos a fio de suas vidas em algo que hoje não lhes traz conforto ou segurança.

Para compor o trabalho, o grupo afirma que tiveram problemas quanto à questão de bibliografia sobre o tema. “É difícil encontrar trabalhos que tratem sobre diversas religiões, a maioria aborda o Catolicismo e se tratando de clausura fica muito mais restrito”, afirma Leandro Amaral um dos alunos.

O documentário terá sua exibição completa no mês de outubro e promete desde já ser uma pesquisa que poderá ser veiculada pelos rádios da cidade.

Um comentário:

Prof. Arquimedes disse...

Legal, mas não ficaria melhor Sob e não Sobre no título?