sábado, 15 de setembro de 2007

Clausura religiosa: um modo de vida



Estudantes abordam a reclusão religiosa em trabalho de conclusão de curso

Solidão, recolhimento, reflexão, tudo isso pode ser considerado sinônimo de clausura religiosa. No Brasil existem muitas pessoas dispostas a levar uma vida reclusa, sem a agitação habitual do dia-a-dia, são pessoas que dedicam grande parte de sua vida a religião.

No país existem apenas seis religiões que possibilitam a clausura, são elas: Catolicismo, Anglicanismo, Hinduísmo, Budismo, Ortodoxismo e o Candomblé.

A partir daí um grupo de alunos da faculdade Imes, em São Caetano do Sul, resolveu desenvolver uma série de reportagens especiais, para rádio, com o objetivo de abordar como funciona o processo de clausura em diversas religiões.

A série terá cinco capítulos – O que é?, Vocação, Rotina, Alegrias e desafios e, por fim, Saída e balanço – divididos em 30 minutos, apresentará comentários de representantes das religiões e especialistas, mas o objetivo principal dos futuros jornalistas é expor os relatos de pessoas que passaram por este tipo de confinamento.

Um dos entrevistados é Mark Walter, um monge hindu conhecido pelo nome Swami Arunananda, que afirma: “Eu me sentia muito bem dentro do mosteiro e era isso que eu queria para minha vida”.

Segundo Danilo Gonçalves, um dos produtores da série de reportagens, eles escolheram um programa de rádio pela abrangência deste veículo de comunicação e também por acreditarem que transmitiriam maiores emoções e sensações aos ouvintes.

A série “Do outro lado do muro – A clausura nas religiões”, produzida pelos estudantes do quarto ano, Aline Teixeira, Danilo Gonçalves, Karin Dalle, Kelly Lira, Larissa Florêncio, Leandro Amaral, Rafael Munhoz e Tiago Dias, poderá ser conferida na íntegra na segunda quinzena de outubro no auditório da própria Universidade, para mais informações ligue 4232-3200.

Por Ana Carla Molina