segunda-feira, 25 de agosto de 2008

A violenta idealização do amor perfeito





Espancamentos, estupros, mortes. O popular sexo frágil sofre com o uso de força excessiva por parte daqueles que deveriam estar ao seu lado para amá-lo e protege-lo. É isso o que revelam as estatísticas que constam na pesquisa sobre violência contra a mulher que está sendo desenvolvida pela graduanda em jornalismo da Universidade de São Caetano do Sul (USCS), Edilma Rodrigues, como Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Na apresentação do andamento do processo da pesquisa, feito na última terça-feira, 19/08, na própria universidade, Edilma relatou que, no Brasil, a maioria dos abusos não são registrados criminalmente porque as vítimas, geralmente mulheres que apanham do próprio marido, sofrem de uma espécie de bloqueio social e psicológico porque foram criadas sob a idealização do amor perfeito, doutrina que as ensina a serem submissas ao machismo desde crianças.

O foco do trabalho é verificar Como a mídia retrata a violência contra a mulher. O estudo baseia-se em matérias sobre a violência contra a mulher publicadas nos jornais Folha de S. Paulo e Diário de São Paulo e deve ser concluído em forma de monografia até o final de setembro.

DIONES DIAS SOARES

2 comentários:

Prof. Arquimedes disse...

Simples e conciso. Muito bom!

Prof. Arquimedes disse...

em tempo: a aula foi na quinta (21)