quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Alguém quer carregar um fardo?


por Tales Jaloretto

“É facio falar de mim dificio fazer o que eu faso”

O bem e o mal existem. A existência do Ying e Yang são necessários para o equilíbrio. Jesus Cristo carregou o fardo de todos, como diz a Bíblia.
Em Manaus, um homem de 60 quilos carrega 120. Estes, conhecidos como homens-formigas levam mercadorias aos navios que vão abastecer as cidades no interior de Manaus. Eles transportam o dobro. As minúsculas formigas cinqüenta vezes o seu peso, enquanto a cigarra canta.

Escolhemos viver nesta economia, e optamos por participar do capitalismo. Logo, alguém vai ter que fazer o trabalho pesado, como a China (que pelo menos algum tempo atrás) oferecia mão de obra muito barata.

Diante deste contexto, que “Os Chapas” abordam por meio de um radiodocumentário a vida dos caminhoneiros, que são responsáveis pelo transporte de 65 % da carga brasileira. E apesar disto são mal vistos por 74 % da população, segundo os integrantes Ana Paula, Ewerton Ferrari, Juliana Buscariol e Marcela Baptista.

“No dia que chover mulher quero uma goteira na minha cama”
No objetivo de desmistificar a rotina e vida destes motoristas da carga pesada, o grupo humaniza os caminhoneiros e desmente o estereótipo apresentado pela rede Globo, onde os atores Antonio Fagundes e Stenio Garcia eram companheiros de estrada.

Dentre todos os problemas inerentes a esta profissão, “Os Chapas” pecam ao generalizar alguns temas, como “o sonho de todo caminhoneiro é ter seu próprio caminhão”, ou ainda que, “o homem (neste caso, os motoristas) não agüentam ficar sem sexo”. Além da confusa explicação sobre o salário.

Apesar disto, é bem interessante observar o quanto abraçaram a causa, defendem o modo de vida destes viajantes e quanto torna mais fácil a produção do trabalho nestas condições: acreditar na idéia. E isso se torna claro ao relatarem que faltam apenas 20 % para finalizar.

“O Brasil é um país geométrico. Tem problemas angulares, discutido em mesas redondas, por bestas quadradas”
Entre os problemas brasileiros como: precariedade das estradas, altos valores de pedágios, falta de segurança; “Os Chapas” trazem à tona as condições que seus personagens enfrentam como: saudade da família, péssimas condições de serviço, alta jornada de trabalho, baixos fretes e problemas nos pontos de parada nas rodovias.

Dentre tantas defesas aos caminhoneiros, não cabe como jornalista relatar todos os “lados”. Esta, claro, sendo apenas uma humilde ressalva do olhar de um espectador. Que ainda abusado, questiona sobre a falta de informação de uma situação atual: o rodízio de caminhões em São Paulo, que os retirou do centro e deslocou para outras regiões como ABC paulista, na busca por rotas alternativas. Afinal, o Brasil não pode parar. E nada mais claro como esta última frase de pára-choque.

“Agora todo mundo já sabe. São Paulo sem caminhão o prefeito é Kassab”

Um comentário:

Prof. Arquimedes disse...

Como sempre,humor inteligente. Parabéns!