segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Acidente de avião e asilo-colônia Aymorés são temas de TCCs

O resultado completo dos trabalhos poderá ser assistido no final do próximo mês, com data a ser marcada

Por Elieuda de Queiroz

Nesta última quinta-feira (28) ocorreu na USCS – Universidade Municipal de São Caetano mais duas apresentações de prévias de TCCs dos alunos de Comunicação, que serão avaliados oficialmente em outubro. Desta vez os temas mostrados foram: o “Acidente do vôo 3054 da TAM”, que correu em 2007, e a “A Última Morada”, uma história do asilo-colônia Aymorés, localizado em Bauru, São Paulo.Para discutir o primeiro tema, a graduanda Alice Auler Galoppi fez um breve resumo do acidente da TAM, ocorrido no dia sete de julho do ano passado, que envolveu 200 mortes. Durante sua pesquisa de monografia, a aluna fará uma análise de conteúdo sobre como as revistas Veja e Época divulgaram o fato, e ainda incluirá uma comparação das fotos entre as duas publicações.“Analisarei como esses meios de comunicação trataram o acidente. Será que não foi usado sensacionalismo?”, questiona.

O trabalho será uma pesquisa exploratória que consiste em levantar estudos, conhecimentos e dados sem o propósito de trazer respostas finais ou provar hipóteses.Já o segundo tema, estudado por oito integrantes, abordou a história do asilo-colônia Aymorés, localizado em Bauru, São Paulo. Em forma de documentário, o Suburbano`s Produções, no curta-metragem de quase 30 minutos, contará como vivem os mais de 30 internos da colônia e ainda abordará um tema de relevante destaque, a Hanseníase conhecida popularmente como Lepra.

Desconhecer a Hanseníase (Lepra), ser diagnosticado com ela e, imediatamente, ser obrigado a se transferir para um asilo, sem previsão de retorno e deixar família e amigos para trás. Este é o assunto principal do documentário. “O Brasil é o segundo país com maiores índices de Hanseníase do mundo, ficando atrás somente da Índia”, revelou um dos integrantes do grupo, Eduardo.O filme retratará a vida de quatro ex-internos do asilo-colônia Aimorés, e que ainda sustenta prédios construídos na década de 1930. “O documentário vai desmistificar o impacto ruim que as pessoas têm em relação à Hanseníase”, destaca Eduardo.

Nos depoimentos, será possível imaginar o sistema de isolamento compulsório ao quais esses, hoje senhores, foram submetidos por quase 40 anos e, quando foram “libertados”, se viram sem escolha e acabaram tendo que reconstruir a vida sozinhos. Nem todos conseguiram e voltaram para Aimorés.

A programação das apresentações oficiais será divulgada em breve pela coordenação dos cursos de Comunicação Social.

Um comentário:

Prof. Arquimedes disse...

ocorreu -> ocorreram
Muito bom o texto!