quinta-feira, 6 de maio de 2010

Trintão no cenário teatral

Ghost Writter – Amanda Sakumoto


Em julho de 1979 nascia, no Rio de Janeiro, o grupo Teatro Amador Produções Artísticas, liderado pelo diretor Eduardo Tolentino de Araújo, fazendo o chamado teatrão, ou melhor, teatro realista. Em 1986, transfere-se para São Paulo, ocupando como sede o Teatro Alinça Francesa.


Baseado nas técnicas de Stanislavsky, o teatro realista trabalha sem o conceito de estereótipo, o ator vive o personagem mesmo nos bastidores. Enquanto não se iniciam as gravações o ator continua trabalhando o personagem. Esta técnica é muito utilizada nas telenovelas brasileiras.


Desde julho do ano passado, o Grupo Tapa comemora os seus 30 anos de existência, e durante um ano fará reapresentações de suas peças. Em agosto serão apresentadas peças inéditas no Festival Pirandello.


O TAPA contribui muito com o cenário teatral do país. É o maior grupo de São Paulo. As “crias” do TAPA estão espalhadas pela TV afora, como o ator Rodrigo Lombardi. E ganham prêmios, como o Shell e o APCA.


O TAPA também possui cursos de atores iniciantes ministrados por atores mais velhos. Alguns alunos são escolhidos para fazer pequenos papéis em peças do grupo, um papel de maior destaque só é conquistado quando o ator atinge uma maturidade profissional.


Ultimamente têm-se mudado um pouco esta conduta, alguns atores novos representaram papéis de destaque. Foi um teste que, por enquanto, deu resultado positivo.


São trinta anos de teatro bem feito, formando uma geração de expectadores, levando muita gente ao teatro. Infelizmente o público que acompanha o TAPA é formado por pessoas mais antigas. O desafio do grupo, hoje, é manter o seu lado tradicional, mas acrescentar elementos modernos e se adaptar ao contemporâneo. Tudo para conquistar um público mais jovem!

Um comentário:

Arquimedes Pessoni disse...

Título legal, mas está com cara de matéria. Precisa ousar mais nas opiniões pessoais, como é a proposta de um artigo.