quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O bairro Cota 400 é tema de livro reportagem de estudantes da USCS.

Olhares: Memórias e identidades do bairro Cota 400 traz a discussão sobre a formação de uma comunidade.

Por Marina Selerges

O grupo formado pelos estudantes Caio Caprioli, Lívia Gonzalez, Luciane Brandão, Mayara Tabone e Paula Venâncio apresentou na última quinta- feira (24) o projeto de trabalho de conclusão de curso de Jornalismo da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul). O livro reportagem aborda a discussão sobre a relação de um ser humano com a paisagem e como isso afeta na formação de seu caráter.

O bairro Cota 400 foi criado a partir de um acampamento para abrigar trabalhadores do DER (Departamento de Estradas e Rodagem) durante a construção da Via Anchieta. A discussão veio a tona quando foi decidido pelo estado retirar os 644 moradores do Cota 400 devido. O motivo da retirada dos moradores da área do Cota 400 é a preservação área que pertence a Mata Atlântica. Os moradores serão encaminhados para conjuntos habitacionais da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU).

As informações foram captadas através de metodologia oral seguindo um roteiro com 23 perguntas. Para facilitar a memorização das respostas sistemas de captação de áudio e vídeo foram utilizados.

Segundo o grupo, o intuito do livro não é opinar sobre a retirada dos moradores da área e sim levantar a discussão sobre critérios econômicos, sociais e históricos na formação de uma comunidade.

Além das entrevistas com os moradores da comunidade para a recuperação de memória e identidade, o grupo ouviu também especialistas como Dojival Vieira e Liberato Manrique, que são advogados e a urbanista Raquel Rolnik.

Um comentário: