terça-feira, 9 de março de 2010

Desligue a TV e vá ler um livro

Há tempos ouvimos que o homem subutiliza seu cérebro e que grande parte de nossa capacidade é escoada ralo a baixo com programas televisivos e horas intermináveis em frente ao computador “teclando” no MSN.


Mas quem nos ensina a sermos melhores? “A escola”, dirão alguns. Mas dados desanimadores do Indicador de Alfabetismo Funcional (INAF) de 2009, recolhidos pelo Instituto Paulo Montenegro em parceria com a ONG Ação Educativa, mostram que 15% dos brasileiros com idade entre 15 e 24 anos sabem ler e escrever, mas não têm habilidades de leitura, escrita e cálculo necessárias para o desenvolvimento pessoal. São os chamados analfabetos funcionais. Na faixa etária dos 50-60 anos, esse número salta para 52%.

“O Brasil tem um dos piores sistemas educacionais do mundo”, lamenta o professor de física Pierluiggi Piazzi, que há 40 anos dá aulas em cursinhos pré-vestibular, alternativa bastante utilizada no país para suprir as falhas do ensino básico.


Italiano, formado em física pela USP e membro da Mensa, sociedade internacional formada por pessoas com alto QI, ele não esconde o conhecimento que adquiriu em uma caixa. Autor de livros sobre inteligência (lançou a “Trilogia Inteligência” pela editora Aleph, fundada por ele), peregrina pelo país ministrando palestras a professores, pais e alunos interessados em mudar o rumo de suas práticas em relação à educação.

Espalhando a semente

Alguns projetos como o “Ensino Médio Inovador” que começa a ser implantando pelo Ministério da Educação este ano em algumas escolas do país, prometem mudar o rumo das estatísticas, mas nada acontecerá se os indivíduos não forem levados em conta.

Piazzi tem uma fórmula e a testa todos os dias. Em salas de aula prega, como um mestre-zen da inteligência, o hábito da leitura e do estudo diário. Dribla as dificuldades dos alunos com simpatia, sempre entoando seus mantras: “Aula dada é aula estudada... hoje” e “Aprender não é para o dia seguinte, aprender é para sempre”. Alguns dos seus mais de 100 mil ex-alunos devem ter aprendido a lição, pelo menos é o que o mestre espera de seus discípulos.

Sugestão de mídias:


Revista Nova Escola
Revista Ensino Superior
Revista do ENEM
Site Brasil Escola (http://www.brasilescola.com/)
Site da Ong Ação Educativa (http://www.acaoeducativa.org.br/portal/)
Programa TV Escola (http://portal.mec.gov.br/tvescola/)
Instituições de ensino que possam se interessar pela palestra do professor.


Raquel Nantes Tavares

Um comentário:

Arquimedes Pessoni disse...

Bom texto, com título criativo. Rever assinatura de release.