sexta-feira, 3 de outubro de 2008

A educação e os excessivos

Tales Jaloretto


Apesar de estarem próximas no dicionário, as duas palavras se distanciam no destaque na mídia. Enquanto o grupo In Extenso informa e humaniza os consumidores compulsivos, que atinge quase 11% da população brasileira; o monógrafo Diones Soares organiza as mais de uma matéria diária, no período de janeiro de 2007 a abril de 2008, sobre a Campanha Nacional pelo Direito à Educação.


Expondo a vida dos compulsivos, o grupo aborda questões como: a diferença entre mania e compulsão, e causas da “doença” (predisposição genética, por meio do vírus Panda e/ou traumas infantis). Desmistificando o termo, o jornalista DanielGhigiarelli explica: “O limite para saber se o indivíduo é compulsivo, são as situações extremas de comprar, por exemplo, e consequentemente sentir depressão após o ato. Pensamento + ansiedade + ato + prazer = depressão”.


E apenas trazendo à tona o que a mídia tanto noticiou, Diones, aproveitando o próprio estágio na Campanha, produz um bem estruturado clipping, mede a “entrada e saída” dos trabalhos produzidos na ONG e investiga os fatores que levaram os veículos de comunicação publicarem as matérias. Arquimedes Pessoni confirma o bom trabalho do jornalista. “O seu trabalho pode se transformar em uma tese de mestrado em educação”.


Entre os 14 tipos de compulsão, “In Extenso” escolheu as mais comuns: jogos, comida, compras e sexo. Foi visitando os grupos de apoio que o grupo chegou até se identificar com as histórias, e ainda, constataram casos de suicídio entre os doentes. Todas essas informações vão compor a série de reportagens especiais para rádio, divido em cinco capítulos, com o tema “Repetição Doentia”.


Ambos se apresentaram no dia 25 de setembro e já finalizaram o produto final.

Um comentário:

Prof. Arquimedes disse...

Bom texto, embora carece de uma correção: eu não disse "tese" de mestrado, mas sim dissertação. Tese é de doutorado.