sexta-feira, 30 de abril de 2010

Grupo Tapa inicia espetáculos com a obra “Vestir os Nus”

Fundado em 1979, no Rio de Janeiro, o Grupo Tapa de São Paulo (sigla para Teatro Amador Produções Artísticas) completa 31 anos em 2010 e inicia os seus espetáculos neste ano com a peça “Vestir os Nus”, um clássico do teatro moderno, escrita em 1922 por Luigi Pirandello.

Trata-se da estreia nacional do grupo, que pretende voltar com um novo festival de peças e atingir o público jovem. Após formar uma geração de atores, o Tapa visa agora ganhar um novo legado de fãs para garantir um presente estável no cenário do teatro nacional e um futuro ainda mais promissor. Por isso, busca também uma formalização contemporânea.


“Vestir os Nus” é mais uma obra realista – especialidade da casa – adaptada pelo Tapa. O monólogo apresenta uma insignificante criada e seus dilemas entre o ser e a aparência. A peça terá participação de Beatriz Seagall. O método de levar o personagem ao seu máximo é explorado com o caráter de criar um gênese e uma interpretação própria, sem estereótipos.

De lá surgiram grandes atores nacionais, como Rodrigo Lombardi. Em 2009, o Tapa, que já produziu mais de 40 peças e ganhou diversos prêmios pelo Brasil, fez muitos sucesso com a obra “Cloaca”, da escritora holandesa Maria Goos, que teve participações de Dalton Vigh, André Garolli e Brian Ross. Atuações como esta fizeram o Tapa ganhar ainda mais respeito no cenário teatral.

Hoje, o grupo faz duas ou até três peças por ano. Antes, com mais possibilidades de viabilização, chegou a ter seis peças em cartaz ao mesmo tempo. Isso graças à produtividade e total aceitação do público, que vê o Tapa como uma grande escola do teatro. Com um repertório vasto e sempre direcionado, ganhou respeito dos mais consagrados autores do Brasil.

O projeto artístico do grupo sempre foi alvo de elogios, muito por conta do seu realismo, textos bem interpretados e atuações primorosas. É um modo de contar a vida social deixando o personagem cada vez mais próximo do espectador. Com 31 anos de experiência, o Tapa é um celeiro de grandes obras, sempre pronto para surpreender e encantar.


Éder Fantoni

2 comentários:

Vitória disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vitória disse...

O autor comete o mesmo erro da Elaine, Beatriz Segall participou da peça: "Retratos Falantes" e não está no próximo elenco de "Vestir os nus" que já estreou no interior.
Quando ele enfatiza que o grupo comemora 31 anos foge do propósito do artigo que foi destacar que o TAPA comemora desde o meio do ano passado seus 30 anos de existência.
A frase: "Em 2009 o TAPA produziu mais de 40 peças..." está equivocada. São muitas peças para um único ano, certo?
Quando o autor diz : "inicia seus espetáculos este ano com Vestir os Nus" ele deixa de informar que as comemorações em 2010 tiveram início com o "Panorama do teatro brasileiro: segunda geração" apresentado em janeiro no teatro Viga.
O texto tem frases muito boas e positivas em relação ao gurpo, o que vai ao encontro com o propósito de ressaltar a importância do TAPA.